quinta-feira, 6 de março de 2014

História do Basquetebol - 1º Ano - 1º Bimestre

História do Basquete


James Naismith – O pai do basquete mundial

          Em 1891, um professor canadense de educação física, da Associação Cristã de Moços, de Springfield, Massachussetts, nos Estados Unidos, chamado James Naismith, inventou o esporte que hoje conhecemos como Basquete ou então basketball. O primeiro nome é que chamamos pelo esporte em português. O segundo nome está em inglês e significa literalmente “bola na cesta”.
          Naismith estava disposto a criar um esporte extremamente pacífico para seus alunos, durante o rigoroso inverno que assolava Massachussetts na época.
O professor então, refletindo bastante, chegou à conclusão de que o jogo deveria ter um alvo fixo, com algum grau de dificuldade. Sem dúvida, deveria ser jogado com uma bola, maior que a de futebol, que picasse com regularidade. O jogo não poderia ser tão agressivo quanto o futebol americano para evitar conflitos entre os alunos e deveria ter um sentido coletivo. Havia outro problema: se a bola fosse jogada com os pés, a possibilidade de choque ainda existiria. Naismith decidiu então que o jogo deveria ser jogado com as mãos, mas a bola não poderia ficar retida por muito tempo e nem ser batida com o punho fechado, para evitar socos acidentais nas disputas de lances.
          A preocupação seguinte do professor era quanto ao alvo que deveria ser atingido pela bola. Imaginou primeiramente colocá-lo no chão, mas já havia outros esportes assim, como o hóquei e o futebol. A solução surgiu como um relâmpago: o alvo deveria ficar a 3,05 metros de altura, onde imaginava que nenhum jogador da defesa seria capaz de parar a bola que fosse arremessada para o alvo. Tamanha altura também dava um certo grau de dificuldade ao jogo, como Naismith desejava desde o início.
          A dificuldade seguinte seria onde fixar tal “coisa” a 3,05 metros de altura e como? Foi então que o professor chamou o zelador do colégio e perguntou se ele não teria duas caixas com abertura de 8 polegadas quadradas (cerca de 45,72 centímetros). O zelador foi até o depósito e buscou o material. Com um martelo e alguns pregos, Naismith prendeu os cestos na parte superior de duas pilastras, que ele pensava ter mais de 3,0 metros, uma em cada lado do ginásio. Mediu a altura. Exatos 3,05 metros, altura esta que permanece até hoje. Nascia então, a cesta de basquete .
          A partir daí o professor de educação física escreveu as primeiras regras do esporte. Em um papel, ele colocou 13 itens que foram usados na primeira partida oficial, disputada no ginásio Armory Hill, em 11 de março de 1892 (foto acima).
          Aos poucos, o esporte começou a chamar a atenção de empresas, que criaram bolas, tabelas e cestas específicas para o jogo.
          Não demorou muito para que o basquete conquistasse um grande número de participantes e fosse incluído nos Jogos Olímpicos de Berlim, na Alemanha, em 1936. O próprio Naismith lançou ao alto a bola que iniciou o primeiro jogo de basquete nas Olimpíadas.
          Atualmente, o esporte é praticado por mais de 300 milhões de pessoas no mundo inteiro, nos mais de 170 países filiados à FIBA.

Augusto Shaw – O pai do basquete brasileiro

          A chegada do basquete ao Brasil, um dos primeiros países do mundo a conhecer o esporte, também veio através de um professor de educação física, porém, não ao que inventou o esporte e sim a um norte-americano nascido na cidade de Clayville, região de Nova York, nos Estados Unidos, chamado Augusto Shaw, vindo em 1894 para dar aula no colégio Mackenzi College, em São Paulo.
          No começo, o esporte enfrentou forte concorrência com o futebol, que desembarcava por aqui no mesmo ano, atraindo mais a atenção das mulheres para a prática do basquete. Aos poucos, Shaw convenceu seus alunos de que o basquete não era um jogo exclusivamente feminino. Com a resistência do público masculino sendo quebrada, o professor conseguiu montar a primeira equipe do Mackenzi, ainda em 1896. Com o desenvolvimento do esporte, em 1912, foram realizados os primeiros torneios brasileiros de basquete no ginásio da rua Quitanda, no Rio de Janeiro.
         
 O profissionalismo do basquete e o surgimento de grandes craques
          Em 1948 veio a primeira grande conquista do basquete brasileiro. Foi a medalha de bronze, nos Jogos Olímpicos de Londres, na Inglaterra.
          Nas décadas de 1950 e 1960, o Brasil contava com uma geração talentosa de jogadores como Wlamir Marques (foto abaixo) e Amaury Pasos.
          Em 1959, o Brasil ganhava o seu primeiro título mundial, disputado no Chile.
          Em 1960, o Brasil voltava ao pódio nos Jogos Olímpicos de Roma, na Itália, com outra medalha de bronze.
          Em 1963, a seleção masculina conquistava o bicampeonato do mundial disputado aqui no Brasil.
          Em 1964, nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, o Brasil conquistava mais um a medalha de bronze.
          Depois da geração vencedora da década de 1950 e 1960, o Brasil contou com alguns outros atletas como o pivô Marquinhos, vice-campeão com a seleção no Mundial de 1970.
          Depois disto, novos astros surgiram no fim da mesma década, tendo como destaque o grande “mão santa”, Oscar Schmitd e Marcel Souza (foto acima).
          Foi com Oscar Schmitd que o Brasil teve a sua principal conquista para o basquete brasileiro. Em 1987, nos Jogos Pan-americanos de Indianápolis, nos Estados Unidos, o Brasil, liderado por Oscar, venceu a equipe norte-americana na final que contava com um jovem chamado, Michael Jordan.
          De lá pra cá quem mais se destacou foi o basquete feminino. Com a rainha Hortência e a “magic” Paula, o Brasil conquistou o Campeonato Mundial, em 1994, na Austrália. Também com elas a seleção feminina conseguiu a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Atlanta, nos Estados Unidos, em 1996.
          A última grande conquista do basquete brasileiro, foi com as meninas nos Jogos Olímpicos de Sidney, na Austrália, em 2000, quando conseguiram a medalha de bronze após derrotarem a seleção da Coréia do Sul.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
- LIVRO: Almanaque dos Esportes, Editora Europa, 2009.
- LIVRO: A História dos Esportes, Orlando Duarte, 4ª ed. Editora Senac, SP, 2004.
- LIVRO: O Guia dos Curiosos: esportes 3ª ed. Marcelo Duarte, Editora Panda Books.
- LIVRO: Fique por Dentro – Esportes Olímpicos, Benedito Turco. - Rio de Janeiro. Casa da Palavra: COB, 2006.
- SITE: Confederação Brasileira de Basquete - 
http://www.cbb.com.br/
- SITE: Federação Internacional de Basquete - 
http://www.fiba.com/
- SITE: Federação Paulista de Basquete - 
http://www.fpb.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário